Branco & Preto

Branco & Preto

O local era São Paulo e o ano, 1950. Uma cidade ainda provinciana assiste a um grupo de jovens arquitetos, idealistas e influenciados pelo Zeitgeist daquela época, criar uma nova ordem arquitetônica como resposta à ordem mundial do pós-guerra.

Tempos em que a comunicação não era farta e a importação era rara, que exigiam soluções locais para um novo problema: como decorar e ambientar os modernos projetos que saíam das pranchetas daquele grupo?

Jacob Ruchti vinha de uma experiência pioneira que fizera época em São Paulo: o Instituto Arte Contemporânea (IAC), uma escola de design dentro do MASP, sob a direção de Lima Bo e Pietro Maria Bardi.

Miguel Forte, contemporâneo de Jacob no curso de arquitetura da Escola de Engenharia Mackenzie, formou-se em 1940 e em pouco tempo montou seu escritório, voltado a projetos residenciais. Para os projetos maiores associava-se s Jacob Ruchti, e juntos venceram o concurso para a nova sede do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), em 1947. Também fizeram uma histórica peregrinação pela Meca da arquitetura da época e conheceram Frank Lloyd Wright em Taliesin, o mítico retiro da primeira fase do grande arquiteto. Estiveram também com Calder e, em Nova York, com o diretor do MoMA, Phillip Johnson. Assistiram à montagem de uma grande mostra dedicada ao mobiliário e ao design modernos e renderam-se à inventividade de Isamu Noguchi e Charles Eames. Estava plantada a semente.

Plinio Croce e Roberto Aflalo também se formaram no Mackenzie, em 1946 e 1950, respectivamente. Abriram escritório próprio em 1950. Plinio já tinha trabalhado na filial paulistana do renomado escritório do designer americano Raymond Lowey: e Roberto Aflalo tinha algumas experiências em desenho de mobiliário para a Ambiente, indústria brasileira pioneira na fabricação de móveis modernos. Uma dessas experiências foi a mesinha aranha que Aflalo desenhou, e que mais tarde foi incorporada ao acervo do Branco&Preto.

Carlos Millan era outro paladino do modernismo saído da Faculdade de Arquitetura Mackenzie. Ainda estudante fundou com alguns colegas a revista Pilotis, que foi fonte de ensino e referência de uma geração de arquitetos paulistanos. Millan, um obcecado por detalhes, via a arquitetura - estrutura, materiais, acabamento e mobiliário como um todo, uma forma de religião.

As coisas aconteceram naturalmente. Sentindo falta de um mobiliário que representasse a arquitetura que praticavam, o grupo de amigos se uniu em torno de uma ideia de Roberto Aflalo: fazer uma loja que vendesse móveis de desenho moderno, com matéria-prima brasileira e acabamento impecável. Sob a influência de designers da época, como Paul McCobb, o grupo mergulhou na tarefa de desenhar e produzir um acervo à altura das mais significativas peças do mobiliário brasileiro.

"Todo mundo participou, deu palpites e havia um fato importante, ninguém era a ?prima-dona? nos trabalhos da equipe. Nós nos entendíamos perfeitamente em todos os sentidos, tanto que fizemos vários trabalhos de arquitetura em conjunto, sempre em perfeita harmonia. Daí resultou o projeto da loja. Começamos a desenhar os primeiros móveis e mandamos executá-los com urgência para a inauguração da loja. E já na abertura, o resultado foi imediato. Todo mundo gostou dos móveis e entusiasmou-se pela loja. Tanto que acabou se tornando um ponto de encontro de arquitetos. Todas as vezes que algum colega passava pela rua entrava na loja para discutir nossos projetos".

mesa
ass. Branco & Preto